✦ Mundo

Presidente pró-cocaína da Colômbia visita Narco-Regime Socialista da Venezuela

O presidente de extrema esquerda da Colômbia, Gustavo Petro, viajou à Venezuela nesta terça-feira para se encontrar com o ditador socialista Nicolás Maduro, o primeiro encontro oficial entre os dois chefes de Estado após o restabelecimento dos laços diplomáticos entre os dois países em agosto.

   Maduro decidiu romper todos os laços diplomáticos entre a Venezuela e a Colômbia em fevereiro de 2019, após o então presidente Iván Duque reconhecer Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela. Guaidó foi designado presidente interino em janeiro de 2019 como resultado de Maduro realizar eleições simuladas em 2018 e sua recusa em renunciar.

A visita de Petro marca a primeira vez em quase dez anos que um chefe de Estado colombiano visita solo venezuelano depois que Juan Manuel Santos visitou a Venezuela em 2013 durante os procedimentos funerários do falecido ditador Hugo Chávez.

Durante o encontro de cerca de duas horas – que Maduro descreveu como “um primeiro encontro frutífero, verdadeiramente auspicioso, com bons resultados” – tanto Petro quanto Maduro discutiram vários tópicos relacionados à reabertura total da fronteira colombiana-venezuelana, comércio, segurança binacional, e migração — sem realmente abordar as causas da atual crise migratória da Venezuela, a pior crise desse tipo na região e perdendo apenas para a da Ucrânia. 

“Somos dois países que marcaram na história a fraternidade e a compreensão. Nosso destino comum é entre nossos povos”, disse Maduro em comunicado conjunto.

Petro, o primeiro presidente de extrema-esquerda da Colômbia, começou seus comentários em uma aparição conjunta dizendo que é “antinatural – em termos mais humanos, eu diria, anti-histórico – que a Colômbia e a Venezuela se separem”.

O presidente colombiano também aproveitou a oportunidade para atacar a guerra às drogas, afirmando que o que “nos deixou hoje é a desestabilização democrática, um milhão de mortes na América Latina e territórios que realmente foram perdidos, tanto para as sociedades quanto para os estados , até mesmo mergulhando países inteiros em crises ao longo dessas rotas de tráfico”.

Sua crítica à guerra às drogas durante a declaração conjunta com Maduro ocorre pouco mais de um mês depois que Petro a denunciou durante seu discurso na Assembleia Geral da ONU em setembro – defendendo a suposta falta de perigo representada pela cocaína, uma droga que ele descreveu continuamente para ser “menos venenoso” para a humanidade do que o carvão ou o petróleo.

O apoio de Petro à legalização da cocaína é de grande importância, dado o status do regime de Maduro como uma das organizações transnacionais de tráfico de cocaína mais lucrativas do mundo.

Promotores federais dos EUA indiciaram Maduro e membros de seu regime como traficantes de drogas e por liderar uma organização de narcotráfico de altos funcionários venezuelanos conhecida como Cartel de los Soles (Cartel dos Sóis). 

O Departamento de Estado dos EUA está oferecendo uma recompensa de US$ 15 milhões por informações que levem à prisão e/ou condenação de Maduro. O Departamento de Estado também está oferecendo recompensas de US$ 10 milhões por informações que possam levar à prisão e/ou condenação de Diosdado Cabello, homem forte do partido socialista e atual chefe da Assembleia Nacional controlada pelo regime, e Tareck El Aissami , atual ministro do Petróleo de Maduro. , que também foi acusado de ter ligações com a organização terrorista Hezbollah.

Em 2015, Efraín Antonio Campo Flores e Francisco Flores de Freitas, ambos sobrinhos de Maduro, foram presos pelas autoridades da DEA em Porto Príncipe, Haiti, enquanto supostamente tentavam transportar 800 quilos de cocaína pertencentes às Forças Armadas Revolucionárias Marxistas da Colômbia. (FARC) para os Estados Unidos – desde então, eles têm sido comumente chamados de narcosobrinos (“narco-sobrinhos”).

Os dois foram condenados pelo crime, mas o governo Biden concedeu clemência a ambos os narco-sobrinhos de Maduro em outubro e os libertou como parte de uma troca de prisioneiros com o regime socialista em troca de sete petroleiros americanos presos.

“Vamos reconstruir até as relações que existiam no nível de inteligência para poder atingir não tanto o traficante que está lá fora, mas sim os donos do capital”, afirmou Petro, “que são os que quase nunca foram atingidos, que são perigosos para a estabilização política”.

Petro afirmou que repensar a guerra às drogas exigia “uma grande conferência latino-americana de presidentes para reexaminar o fracasso [da guerra às drogas] que cometemos nas últimas cinco décadas”.

Maduro e Petro também discutiram o retorno da Venezuela à Comunidade Andina (CAN), que Maduro descreveu como “boas notícias para a América do Sul”.

A Comunidade Andina é um bloco de livre comércio composto por Bolívia, Colômbia, Equador e Peru do qual a Venezuela fez parte de 1973 até 2006, quando Hugo Chávez decidiu retirar a Venezuela em protesto depois que Colômbia e Peru assinaram acordos de livre comércio com os Estados Unidos.

“Agora queremos convidar o Chile [que atualmente faz parte da comunidade andina como membro associado], Equador, Bolívia, Peru a aceitar a reintegração da Venezuela na Comunidade Andina como membro com todos os poderes, com todos os seus direitos e deveres. “, disse Petro.

O presidente colombiano continuou afirmando que havia solicitado que a Venezuela voltasse a integrar o Sistema Interamericano de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (CIDH), do qual Hugo Chávez decidiu retirar a Venezuela em 2010, depois que a organização publicou um relatório denunciando a deterioração da democracia na Venezuela. Chávez, na televisão ao vivo, descreveu o então chefe da organização Santiago Canton como “excremento executivo”.

Antes de seu encontro com Maduro, Petro já havia solicitado o retorno do ditador socialista à CIDH em setembro. Maduro respondeu ao pedido de Petro dizendo que está “muito receptivo” ao pedido.

“Nas etapas de uma reconsideração do Sistema Interamericano de Direitos Humanos, tenho sido muito receptivo, e será nas próximas semanas em relação a esta interessante questão levantada pelo presidente Gustavo Petro”, disse Maduro.

Relatórios publicados na terça-feira indicaram que um porta-voz anônimo do Departamento de Estado dos EUA disse à agência de notícias espanhola EFE que os Estados Unidos pediram a Petro, um ex-membro da guerrilha marxista M19, para “promover a democracia e a responsabilidade na Venezuela”.

“Os venezuelanos merecem as mesmas oportunidades que os colombianos e outros povos da região têm para eleger democraticamente seus líderes”, disse o porta-voz não identificado à EFE. O porta-voz também disse à EFE que o presidente de esquerda Joe Biden “agradece a colaboração da Colômbia para uma solução política na Venezuela”.

O governo Biden pressionou continuamente o regime de Maduro a realizar eleições presidenciais “livres e justas” em 2024, enquanto pressionava tanto os membros do regime socialista quanto os membros da “oposição” venezuelana para retomar as negociações para esse objetivo.

Petro passou a declarar que a América Latina é hoje um “farol da democracia mundial”, uma afirmação que ele fez enquanto estava sentado ao lado de Maduro, o chefe de uma das três ditaduras da região, e cujo regime está sendo investigado pelas Nações Unidas. Conselho de Direitos Humanos e Tribunal Penal Internacional por violações de direitos humanos e crimes contra a humanidade.

Em fevereiro, durante sua campanha presidencial, Petro optou por se distanciar inicialmente de Maduro ao afirmar que o ditador socialista pertencia à “política da morte”, buscando colocar espaço entre suas promessas de campanha presidencial de extrema esquerda e a outrora celebrada bolivariana. Socialismo.

Maduro respondeu acusando Petro de fazer parte de uma esquerda “fracassada e covarde” ao lado de Gabriel Boric e Petro Castillo, presidentes de esquerda do Chile e do Peru, que também criticaram Maduro em um esforço para se distanciar ideologicamente do ditador socialista. Petro então respondeu a Maduro via Twitter , sugerindo que ele parasse com seus insultos.

“Continuaremos nessas discussões, debates e reuniões de uma irmandade que nunca deveria ter sido rompida”, concluiu Petro no comunicado conjunto, apertando a mão de Nicolás Maduro.

Participe do nosso GrupoEntre no grupo do CIDADE NEWS OFICIAL no WhatsApp e receba notícias em tempo real GRUPO 1 | GRUPO 2

cidadenewsonline

Eu sou Valmir Da Silva Oliveira, nascido na Cidade de Terra Rica-PR em Dezembro do ano de 1966. Atualmente moro na cidade de Marcelândia-MT desde o ano de 1987, casado pela 2ª vez, tenho dois filhos do primeiro casamento, Sendo eles; Alan Marcos de Oliveira, nascido na Cidade de Colíder em 21 de Maio de 1993, e Alison Vinício de Oliveira, nascido em Marcelândia-MT, em 18 de novembro de 1997. Sou Radialista desde 1998. Atualmente estou na Rádio Comunitária Cidade FM 87,9 MHZ de Marcelândia. Sou Diretor presidente do Portal de Notícias http://www.cidadenewsonline.com. Minha esposa atual, Srª. Dorilane Gaúna Rodrigues da Silva

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Com muito ❤ por go7.site