✦ Mundo
Tendência

Com tristeza: Comentarista da Globonews, Guga Chacra, admite que Trump está com eleição para presidente praticamente ganha, “Biden é um desastre e Kamala é pior ainda”, VEJA VÍDEO

A perda de presidentes com um único mandato quase nunca promove campanhas primárias subsequentes bem-sucedidas, muito menos provoca terremotos que demonstram o domínio absoluto do seu partido

  Após expressiva vitória de Trump na prévia de Iowa, o comentarista da Globo Guga Chacra admite e lamenta que dificilmente o ex presidente não será eleito.

A grande vitória do ex-presidente Donald Trump na prévia de Iowa, na segunda-feira (15), consagra uma das reviravoltas mais surpreendentes da história política americana.

A perda de presidentes com um único mandato quase nunca promove campanhas primárias subsequentes bem-sucedidas, muito menos provoca terremotos que demonstram o domínio absoluto do seu partido.

Trump transformou o Partido Republicano em sua imagem populista, nacionalista e niilista em 2016.

Ao obter 50% dos votos na maior vitória da história das prévias, colocando-o no caminho para a sua terceira nomeação consecutiva, ele mostrou que oito anos após a sua vitória presidencial forasteira, o atual Partido Republicano é inteiramente seu partido.

“A grande noite será em novembro, quando retomarmos o nosso país”, disse Trump na sua primeira festa de vitória adequada desde que chocou o mundo ao vencer as eleições de 2016.

Sua multidão usando chapéu MAGA (“Make America Great Again”) o cumprimentou com gritos de “Trump, Trump, Trump” sob duas grandes telas onde se lia “Trump vence Iowa!”.

Mas a recuperação do ex-presidente é mais surpreendente por outro motivo. Ele venceu apesar de 91 acusações criminais e outras complicações legais que ameaçam sua liberdade e sua fortuna.

Em um retrato estonteante de tempos sem precedentes, espera-se que ele apareça em um tribunal em Manhattan na manhã desta terça-feira (16) para a abertura de um julgamento por difamação.

Seu triunfo em Iowa ocorreu três anos e nove dias depois que ele disse a uma multidão para “lutar como o inferno” antes da invasão do Capitólio dos EUA, em uma tentativa de impedir a certificação do Congresso da vitória do presidente Joe Biden nas eleições de 2020.

O domínio de Trump na noite de segunda-feira mostra que, entre os eleitores republicanos mais empenhados, não há preço a pagar pelo pior ataque a uma eleição na história moderna.

Na verdade, o aproveitamento bem sucedido da sua situação criminosa para pintar uma narrativa de perseguição é a superpotência que renovou o seu vínculo com os eleitores da base republicana e deixou os seus rivais com um enigma impossível sobre como explorar as suas responsabilidades.

A sua vitória no “caucus” também demonstra o sucesso da estratégia de negação eleitoral de Trump, que convenceu milhões de eleitores republicanos da falsa crença de que ele foi ilegalmente retirado do poder em 2020.

Para os americanos que acreditam no aviso de Biden de que Trump é o “presidente mais antidemocrático com um pequeno ‘d’ na história americana”, a noite de segunda-feira terá semeado um pavor absoluto.

A promessa de Trump de ganhar um segundo mandato dedicado à “retribuição” contra os seus inimigos, o fato de rotular os adversários políticos como “vermes” e as suas advertências de que os imigrantes estão “envenenando o sangue” da América, que lembram os ditadores dos anos 1930, não foram demérito em Iowa.

Em vez disso, o presidente que tentou derrubar a democracia para permanecer no poder usou a democracia de forma muito mais eficaz do que qualquer um dos seus oponentes republicanos para obter o apoio eleitoral dos eleitores republicanos que o querem de volta à Casa Branca.

Participe do nosso Grupo
Entre no grupo do CIDADE NEWS OFICIAL no WhatsApp e receba notícias em tempo real GRUPO 1 | GRUPO 2

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Feito com muito 💜 por go7.com.br