✦ Agronegócio

Conselheiro técnico explica porque a pecuária brasileira é a solução e não o vilão para a questão climática

Não há mecanismo mais barato e eficaz para se sequestrar carbono da atmosfera do que aquele chamado “fotossíntese”.

  Eduardo Lunardelli Novaes é conselheiro técnico da Associação nacional da pecuária intensiva – ASSOCON e publicou o texto intitulado “Clima: a pecuária brasileira é o vilão ou a solução?” na Revista Oeste deste domingo (21), onde ele explica as três razões que levam o Brasil a ter uma imagem ruim no debate climático global. Veja a íntegra a seguir:

A pecuária brasileira de ponta é parte da solução para a diminuição da emissão de gases de efeito estufa, seja pelo vigor do sequestro e armazenagem de carbono das pastagens tropicais bem manejadas, seja por conta de seu consistente aumento de produtividade, em que se produz mais quilos de carne e litros de leite com emprego de menor volume de recursos naturais. Adicione a esses elementos a conservação de reservas legais e de Áreas de Preservação Permanente (APPs) e ninguém conseguirá competir com a carne brasileira do ponto de vista de pegada de carbono.

Não há mecanismo mais barato e eficaz para se sequestrar carbono da atmosfera do que aquele chamado “fotossíntese”. É precisamente a atividade econômica pecuária que tem a responsabilidade de garantir que esse mecanismo se manifeste em um parcela do território brasileiro maior que as áreas da França, Espanha, Alemanha, Itália e Holanda, somadas. Sem a presença do investimento do pecuarista no bom manejo de pastagens, parte considerável dessa área iria se degradar, tornando-se, no limite, deserto. Nesse caso, essas áreas perderiam sua frágil camada fértil de solo, deixando consequentemente de propiciar condições para que o carbono seja retirado da atmosfera. O próprio processo de desertificação é, aliás e por si só, grande emissor de gás metano. Já as Reservas Legais e APPs dessas propriedades, que do mesmo modo contribuem para a remoção e armazenamento de carbono, são também financiadas pela pecuária. Em outras palavras, combater o consumo e a produção da carne brasileira é trabalhar, não só pela fome, mas também em prol de verdadeira calamidade ambiental.

E por que isso não é reconhecido? O esforço multilateral de regulação climática global não passa de uma disputa distributiva entre países e indústrias. O que está em jogo é a decisão de quem pagará a trilionária conta da redução das emissões líquidas de gases de efeito estufa no mundo. Quem pode mais, chora menos. Mas também, de quem se beneficiará, evidentemente. Dessa forma, existem essencialmente três razões que levam o Brasil a ter uma imagem ruim no debate climático global, em franco arrepio à realidade que se observa na natureza. A primeira é que, sendo o país mais verde do planeta, não interessa a nenhuma nação rica do mundo ter o Brasil como modelo, como benchmark. São interesses econômicos e geopolíticos que se manifestam, acima de tudo mas não somente, através de metodologias de contabilidade climática que pretendem desprezar vantagens competitivas como as que temos. A segunda é o desconhecimento e preconceito da opinião pública, em especial no próprio Brasil, em relação à realidade da atividade agropecuária em geral. Não cabe a ninguém, a não ser ao próprio setor rural continuar trabalhando em boa comunicação para a reversão desse quadro. E a terceira, a falta de uma cultura arrojada de relações externas no Brasil que privilegie prementemente os interesses nacionais à luz de nossas vantagens comparativas e competitivas. Só assim poderemos, no futuro, seguir cumprindo nossa missão de alimentar o mundo e conquistar, assim, protagonismo cada vez maior.

Cabe ao pecuarista, em suma, seguir perseguindo o equilíbrio econômico-financeiro e permanente aumento de eficiência de sua atividade, sempre em respeito ao Código Florestal. Ao fazê-lo, estará automaticamente incrementado os indicadores ambientais e climáticos de sua propriedade. No entanto, como já é evidente, é primordial conseguir demonstrar as relações de causa e efeito inerentes à sua atividade de forma clara, primeiro à opinião pública brasileira, depois à mundial.

Participe do nosso GrupoEntre no grupo do CIDADE NEWS OFICIAL no WhatsApp e receba notícias em tempo real GRUPO 1 | GRUPO 2

cidadenewsonline

Eu sou Valmir Da Silva Oliveira, nascido na Cidade de Terra Rica-PR em Dezembro do ano de 1966. Atualmente moro na cidade de Marcelândia-MT desde o ano de 1987, casado pela 2ª vez, tenho dois filhos do primeiro casamento, Sendo eles; Alan Marcos de Oliveira, nascido na Cidade de Colíder em 21 de Maio de 1993, e Alison Vinício de Oliveira, nascido em Marcelândia-MT, em 18 de novembro de 1997. Sou Radialista desde 1998. Atualmente estou na Rádio Comunitária Cidade FM 87,9 MHZ de Marcelândia. Sou Diretor presidente do Portal de Notícias http://www.cidadenewsonline.com. Minha esposa atual, Srª. Dorilane Gaúna Rodrigues da Silva

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Com muito ❤ por go7.site